-- Temas Acadêmicos de Psicologia --

- Aqui estão alguns Temas do mundo da psicologia,
que podem ser úteis para qualquer pessoa.



- Artigos:

-Acupuntura: Tratamento natural, milenar e científico.
-Alimentação: fracione, organize, equilibre!
-Ansiedade
-Ansiedade de Desempenho no Esporte
-Ansiedade de desempenho no vestibular
-Ansiedade e medo de dirigir
-Ansiedade e Terapia Cognitivo-Comportamental
-Assertividade
-Colecionismo
-Como iniciar uma conversação?
-Como lidar com a raiva
-Compulsão ao Jogo
-Depressão não é só Tristeza
-Disfunções Sexuais
-Efeitos das Emoções Positivas
-Felicidade
-Felicidade Autêntica
-Mas, o que é auto-estima?
-Medo de Voar de Avião
-Medo do tratamento Odontológico
-Nutricionista Adriana Lauffer
-O Medo de Errar
-Perdoar faz bem
-Perfeccionismo: escravidão pela perfeição e oposição à  frustração
-Terapia Cognitivo-Comportamental (TCC)
-Transtorno do Comer Compulsivo
-Tratamento do Tabagismo
 

- Artigos:

- >Nutricionista Adriana Lauffer -

->Entrevista com a Nutricionista Adriana Lauffer
www.adrianalauffer.com.br

1. Qual sua formação? Há quanto tempo?

Sou nutricionista formada pela Universidade FEEVALE em 2006. Sou mestre em Gastroenterologia pela Faculdade de Medicina da UFRGS e Especialista em Nutrição Funcional. Atualmente faço Pós-graduação em Nutrição Clínica.

2. Quais as áreas da Nutrição?

A nutrição é uma profissão muito versátil e cada vez com mais áreas de atuação. Podemos atuar na área clínica (atendimento em consultórios e ambulatórios), hospitais, na área de refeições coletivas (refeitórios de empresas, restaurantes, estabelecimentos de alimentação em geral), área de saúde pública (postos de saúde, Vigilância Sanitária), consultorias (escolas, asilos, restaurantes, empresas, hospitais, clínicas para planejar a cozinha e a área de alimentação de acordo com as normas da Vigilância Sanitária, podendo atuar em conjunto com arquitetos e engenheiros), rotulagem de alimentos (empresas de alimentos, como a Nestlé), engenharia de alimentos (empresas como a Nestlé), área acadêmica, área de pesquisa, área esportiva (atendimento de atletas, times), personal diet, home care, entre outras.

3. O que faz o profissional da Nutrição?

Depende a área. Na minha área atendo pessoas com hora marcada para consultas em consultório pelo convenio ou particular. Atendo adultos, crianças, adolescentes e idosos que querem e/ou precisam emagrecer, tratar doenças crônicas ou melhorar a qualidade de vida. Atendo gestantes também. Faço uma entrevista detalhada, solicito exames para melhor orientar o plano alimentar, faço avaliação antropométrica, prescrevo suplementos quando necessário e acompanho a evolução.

4. O que você entende por obesidade?

A obesidade hoje é uma epidemia, uma doença considerada multifatorial, pois sofre diversos tipos de influencia: genéticas, culturais, psicológica, doenças endócrinas, sedentarismo e, claro, maus hábitos alimentares.

5. Quais os tipos de obesidade?

São basicamente dois: andróide (corpo em forma de maçã) e ginóide (corpo em forma de pêra). A andróide é mais perigosa, pois concentra a gordura na região abdominal, o que pode prejudicar órgãos como coração, fígado, pâncreas, e levar a vários tipos de doenças a médio ou longo prazo.

6. Quais os problemas que a obesidade pode acarretar?

Vários tipos de doenças, as mais comuns são: hipertensão arterial, problemas cardiovasculares, diabetes melitus, dislipidemias, esteatose hepática, problemas de coluna e articulações pela sobrecarga do peso, entre outras, e também pode agravar problemas psicológicos ou psiquiátricos como a ansiedade, depressão, baixa-estima, dificuldades de relacionamentos, etc.

7. Qual o caso mais grave de obesidade que você já ouviu falar?

Os casos mais graves são de obesidade em conjunto com as doenças orgânicas citadas acima. São muito comuns.

8. Quais os resultados dos tratamentos?

Os resultados dependem muito da disposição e força de vontade do paciente. Se o paciente está determinado a emagrecer, por exemplo, os resultados são maravilhosos: com alguns quilos a menos a pressão arterial já normaliza, logo mais a diabete estabiliza, bem como a dislipidemia, etc. dessa forma, o médico muitas vezes já pode reduzir as doses de medicamento ou até retirar alguns. É sempre muito importante fazer atividade física regular, orientada por profissional competente e fazer terapia, se necessário, com profissional da área.

9. Quais as dificuldades das pessoas obesas?

As maiores dificuldades são ansiedade, baixa estima, falta de força de vontade, persistência, objetividade, falta de controle sobre a compulsão, falta de organização da rotina. Essa é a “personalidade” da maioria dos obesos, que acreditam na existência de um milagre para emagrecer. Esse aspecto dificulta muito o emagrecimento e é frustrante tanto para os profissionais nutricionistas (que precisam “lembrar” que o fracasso do tratamento não é necessariamente incompetência do nutricionista) quanto para os pacientes (que não conseguem seguir uma reeducação alimentar por muito tempo).

10. Quais os tratamentos indicados para a obesidade?

O mais adequado é sempre a reeducação alimentar. Mas pela busca do “milagre”, muitos obesos recorrem a tratamentos medicamentosos perigosos ou às dietas da moda, que são totalmente desequilibradas e podem colocar a saúde em risco. Outro tratamento são cirurgias de redução de estomago (bariátricas), mas são feitas apenas em casos específicos. O melhor tratamento ainda é aliar reeducação alimentar, atividade física e terapia para aprender a lidar com o alimento.

11. Quais as dificuldades que as pessoas obesas encontram no tratamento nutricional?

Basicamente o controle da compulsão, da voracidade, a mudança dos hábitos alimentares ruins para seguir uma alimentação adequada. Eles demoram para entender que eles podem comer de tudo, mas não tudo todos os dias.

12. O que você sugere para a dieta de uma pessoa obesa em tratamento?

Sugestões básicas: Fazer as refeições nas horas certas (sem “pular”), intercalar as refeições principais com lanches ricos em frutas e cereais integrais (ricos em fibras, pois saciam e acalmam a ansiedade/vontade de comer), reduzir as quantidades de alimentos, diminuir consumo de alimentos gordurosos, fritos, ricos em sal, ricos em açúcar, doces em geral, aumentar consumo de frutas e saladas, tomar mais líquidos não adoçados, de preferência água, controlar beliscos fora de hora.

13. E que dicas você pode dar para uma pessoa obesa que não esteja fazendo tratamento para redução de peso?

Dicas básicas: Diminuir alimentos ricos em gordura e açúcar, fazer lanches entre as refeições, controlar beliscos fora de hora.

14. Considerando a atividade física e a dieta, qual é a importância e a relação entre as duas na perda de peso?

Através da reeducação faz-se uma alimentação mais equilibrada, tanto em nutrientes quanto em calorias, necessários para o emagrecimento. Com a atividade física é estimulado o gasto energético e o metabolismo, acelerando o emagrecimento e mantendo a massa magra.

15. De que forma as questões como o comportamento alimentar, as compulsões, as escolhas equivocadas e os exageros, além do sedentarismo, podem ser trabalhados para que a pessoa obesa se conscientize da importância de mudar todo seu estilo de vida?

É um trabalho em longo prazo e muito lento. É necessário criar um bom vinculo médico-paciente, o paciente precisa ser muito estimulado e precisa sentir que o médico acredita nele, que ele consegue. A mudança de hábitos é sempre um processo lento e difícil, mas não impossível para quem quer. No entanto, se o paciente logo no inicio já desiste do tratamento, não há oportunidade nem para a formação do vínculo.

16. Indique brevemente alguns alimentos que devem conter numa alimentação saudável.

Frutas e verduras/legumes variados, feijões, cereais integrais (pães, arroz, etc), farelos/sementes (farelo de arroz, gergelim, linhaça, aveia, girassol...), azeite de oliva, castanhas, nozes.

17. E quais deveriam ser evitados pelas pessoas, principalmente os obesos?

Alimentos industrializados, sejam salgados ou doces (por conter gorduras trans, e também pelos corantes e diversos produtos químicos), refrigerantes, excessos de massas, frituras, excesso de óleo na comida e de açúcar nas bebidas.

Autor/ Fonte
Márcia Copetti / marciacopetti.com.br






Voltar